Reforçando uma cultura de alta confiança usando o exemplo Spotify

Por Oscar Correia | 13/11/2017

Como você constrói uma organização que permite ágil em escala e desencadeia o poder de pequenas equipes autônomas? Existem muitas empresas principalmente na Europa e América se inspirando de como o Spotify reforçou uma aprendizagem dinâmica continua e uma cultura de confiança que apoia equipes autônomas totalmente engajadas.

"O modelo Spotify" de ágil em escala tem recebido uma atenção surpreendente na comunidade ágil, uma vez que foi amplamente compartilhado em 2012. Os vídeos do Spotify Engineering Culture têm mais de 500 000 visualizações. Nunca foi concebido como uma estrutura ou um modelo, foi apenas um estudo de caso da maneira de trabalhar Spotify na época. Isso não impediu um grande número de organizações de copiar ou imitar o modelo, muitas vezes sem entender o que foi otimizado, quais os desafios que ele vem ou como a Spotify se adaptou e continuou a evoluir nos cinco anos desde então.

Os agilistas Jimmy Janlen e Joakim Sunden (ex Spotify) formalizaram um treinamento oficial de dois dias de como você pode obter um profundo e amplo conhecimento de como o Spotify funciona. 

Podemos reforçar a cultura da empresa melhorando o design organizacional em relação ao seu contexto e limites, as tomadas de decisões neste contexto são importantíssimas, será o combustível para o andamento da locomotiva. Devemos considerar e reconsiderar algumas opções, é nesta hora que todos os agilistas e gerentes devem participar para um brainstorm. Outra parte importante são as tomadas de decisões intencionais e emergentes consideradas. 

 

Princípios subjacentes 

Explorando os princípios subjacentes, ou seja, aquilo que está implícito, ou que não se manifesta claramente, precisa de tornar perceptível para todos, podem se usar vários tipos de canais para isso e novas atitudes para que o grupo fique alinhado de forma constante. Um mecanismo especifico no Spotify são as reuniões de cada Squad que podem ser quinzenais, semanais, etc, vai depender da demanda e o nível em que as equipes se encontram. Nestas reuniões sempre saem grandes ideias, iniciativas e aprendizado, os colaboradores sentem-se conectados realmente com a cultura da empresa e seu propósito. 

Outra pratica interessante é a combinação de pequenas equipes autônomas com alinhamento estratégico de negócios, isso faz com que o projeto evite a erosão arquitetural ou um débito técnico. Outro trabalho interessante que eles têm é o crescimento da liderança e liderados, neste contexto trabalhar com a inovação e valores flui naturalmente.

  

Como Scrum, Kanban e Lean se encaixam na cultura Spotify 

Jeff Sutherland em seu treinamento sobre Scrum@Scale fala sobre como o modelo Scrum se encaixou no Spotify, podemos notar algumas práticas do LeSS que foram adotados também. Eles usam o lean kit kanban como board que tem três pistas verticais: fazer, fazendo e feito. Além disso, eles têm duas pistas horizontais para os dois principais tipos de serviço: tipo padrão e histórias intangíveis. (A maioria do trabalho proativo cai nesta última categoria.) As tarefas maiores que são grandes por definição que levam mais de uma semana são chamadas de "projeto".  

O OKRs (Objectives and Key Results) é usado como alinhamento estratégico de negócios e priorização. Pense, construa, ajuste, envie - The Spotify Product Development Framework, usado para o gerenciamento dos projetos.

 

Espalhar e compartilhar conhecimento, transparência e comunicação, desafios que acabam acarretando em adquirir resiliência, lições aprendidas, experiências que falharam e logo conseguiram consertar, são exemplos que trazem resultados tangíveis para conseguirmos redesenhar a organização que estamos e conseguirmos envolver melhor os colaboradores e alavancar o poder de equipes autônomas.

 

Oscar Correia      – Agile Coach / Scrum Master

                            – Graduado em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

                            – Contribuidor no Project Management Institute

                            – Community Member Writer da Scrum Alliance

                            – Certificação: CSP / CSM / Lean Six Sigma

                            – Palestrante

                            – Escritor contratado pela editora Tate Publishing, USA

 

 


Gostou do artigo? Compartilhe para que seus amigos também possam ler.