Criando Matriz de habilidades através do Ágil

Por Oscar Correia | 01/02/2017

Podemos mapear a qualidade dos colaboradores para identificar e qualificar, dessa forma os problemas encontrados ao longo do projeto podem ser melhor abordados. Acredito que essa prática adotada por poucas empresas é por causa delas não estarem acostumadas a prever situações adversas nos planos que compõem e quando se deparam, sentem dificuldades para entendê-los.

Este mapeamento de habilidades ajuda a reduzir o número de defeitos do software por meio de melhorias  contínua, certamente, o gerente de projeto ágil irá encontrar as ferramentas de apoio mais adequada para colmatar alguns dos desempenhos, falhas de comunicação, e de qualidade que a empresa está enfrentando, como? melhoria continua e permitir que as pessoas façam uso dos seus conhecimentos e experiência acumulada. Essas habilidades também trás três tipos de gerente de projeto ágil com relação à equipe.

 

Gerente de projeto ágil que serve a equipe

Em ágil, o gerente de projeto serve a equipe, pode providenciar os recursos e as necessidades de uma equipe, tais como laboratório adequado para a equipe de testes e até mesmo uma sala de reuniões de equipe. Em um projeto em que trabalhei, a equipe de teste teve todo e total apoio, conseguimos entregar em menos sprints o projeto, com isso tinhamos tempo para fazermos workshop uma vez por semana onde toda equipe estava presente.

 

Gerente de projeto ágil que serve ao PO

Em outro projeto, o product owner teve dificuldade para criar um roteiro para que a equipe pudesse enxergar um pouco à frente por causa do tempo. Teve também problemas em escrever as histórias para que a equipe pudesse obter o comprometimento do trabalho dentro da iteração. Depois da segunda retrospectiva, o gerente de projeto percebeu que o PO precisava de ajuda, que ele não poderia resolver estes problemas por si mesmo.

O gerente de projeto perguntou como poderia ajudar, "Eu preciso de mais tempo para escrever histórias, estou fora sempre e não tenho tempo para fazer histórias menores", respondeu. O GP reuniu a equipe para todos darem uma ideia e usarem uma estratégia para ajudarem a criar histórias melhores. Dessa forma, todos na equipe (testers e developer) forneceram pontos de vista mutualmente ortogonais sobre quase tudo que ajuda-se na construção das histórias. O GP organizou um workshop de requisitos e ajudou a equipe a se reorganizarem em tríades, de modo que cada equipe teve um desenvolvedor, um testador e alguém agindo como analista de produto proprietário / negócio. Depois do workshop, o PO ficou surpreso com o quão pequeno as histórias eram e o nível de detalhe.

Essas preocupações afetam uns aos outros e ajudam a melhorar a habilidade de todos para desencadear uma mudança significativa nos próximos projetos.

 

Gerente de projeto ágil que serve a gestão

Muitos gerentes querem saber quando o projeto será feito. Em ágil, muitas vezes dizemos: "Isso depende. Porque nós limitamos nosso trabalho em andamento, seja trabalhando no fluxo ou iterações". Embora isso seja verdade, isso nem sempre é uma indicação útil para se reportar a gestão.

Sempre no início do projeto várias perguntas são feitas para a gestão justamente para depois não haver dúvidas e evitar gargalos, os profissionais de testes e desenvolvimento são colocados na quantidade certa para que não tenha problemas, eles não podem ser redistribuídos em outros projetos no meio do processo, isso também é colocado perante a gestão, desta forma eles podem ver uma demonstração do produto nas primeiras sprints.

Certamente, quando os gerentes olham as demos, irão mudar de idéia sobre o que o produto era no começo e o que se tornou. Ao trabalhar com clientes diretamente, faz com que ele seja parte da equipe, de certa forma, a certeza de terminar o projeto com menos release fica mais palpável.

 

Neste tipo de gerenciamento o andamento do projeto destaca-se do tradicional, considere como cada um pode aplicar uma liderança servidora:

O que podemos fazer para servir plenamente a equipe?

O que podemos fazer para facilitar o trabalho dos outros? para ajudar a desenvolver suas habilidades.

Como podemos ajudar o cliente e a gestão distinguir os objetivos entre curto e longo prazo?

Essas são apenas três maneiras que pode ser exercercida como liderança servidora para enaltecer as habilidades. 

 

 

Oscar Correia      – Engenheiro de Testes e Coach Agile

                          – Graduado em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

                          – Contribuindo no Project management

                          – Certificação: CSM e CSP

                          – Palestrante orientado a evento de Qualidade de Software e Scrum Gathering

                          – Escritor contratado pela editora Tate Publishing, USA


Gostou do artigo? Compartilhe para que seus amigos também possam ler.