Enxergando a crise como oportunidade

Por Renato Luiz Cardoso | 12/11/2016

 

Ao abrir o jornal, assistir ao noticiário ou navegar pelo nosso site favorito de notícias, nos deparamos com fragmentos que compõe o quebra-cabeças de uma crise que parece não sinalizar seu fim. Assim, muitos atualmente esperam o fracasso e perdem suas perspectivas de futuro, presos no medo e com foco no negativo.

Entretanto, algumas empresas e pessoas estão prosperando, mesmo no meio da “crise”. Então, o que é diferente para eles? O que essas pessoas prósperas e as empresas parecem ver e fazer que os demais não conseguem? Muito disso se resume à nossa própria atitude.

Acredito que a forma como percebemos o mundo é fruto de nossas experiências. Posso usar como exemplo a minha própria carreira em TI, com seus altos e baixos, onde muitas vezes acreditei que não existiam oportunidades e que devia mudar de área, mas que no fim das contas, uma simples mudança de atitude me colocou no caminho certo.

Ao encontrar uma empresa em crescimento, você verá uma paixão dos colaboradores em criar a próxima oportunidade. As equipes olham para o lado positivo das coisas, aprendem com os erros. Pessoas em crescimento, aproveitam as oportunidades de aprender e sempre tem um olhar para positivo.

Fazer da crise uma oportunidade significa encontrar um lado positivo, fazer um balanço do que deu errado e definir uma nova estratégia.

“Pensar fora da caixa”, usar a criatividade. Ver oportunidade em cada situação, enxergar a luz, não importa o quão escuro pode parecer.

Então, o que determina o resultado? Quando uma força intervém para causar uma “virada para melhor ‘, a crise se transforma em uma oportunidade: Nós podemos ser a força que alimenta o balanço da crise em oportunidade.

Como? Nossa atitude! Quando olhamos para a vida, para nossa carreira, para nosso trabalho, com uma atitude positiva estamos mais propensos a ver novas oportunidades, criar de maneira diferente, a acreditar nas nossas capacidades para alimentar um resultado positivo. Eu acredito firmemente que esses são os principais ingredientes para o sucesso, seja nos negócios, na carreira ou na vida pessoal.

É mais fácil falar (no caso, escrever), do que fazer. Nós podemos prosperar. Todos nós temos o poder de controlar a forma como vemos e respondemos ao mundo e nos beneficiarmos com isso. É nossa escolha.

Não quero dizer que você deva ser como a personagem ‘Pollyanna’ (Ver em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Pollyanna), mas também não pode andar olhando somente para baixo. O que você escolhe? Pergunte a si mesmo: “eu vejo uma crise econômica ou uma oportunidade de mercado?” Se você tem a minha idade e nasceu nos anos 70, sabe que nós já passamos por várias crises, por inflação de 70% ao mês.

Oportunidade é tudo que nos rodeia. Como é que vamos transformar nossas perspectivas? Nós mudamos a maneira que nós escolhemos para pensar. Preste atenção: Qualquer resultado está disponível para nós. Quando mudamos nossos pensamentos e expectativas, mudamos os resultados. Então, como mudar a nossa maneira de pensar? Bem, isso depende do que funciona para você e sua organização.

Com demasiada frequência, o nosso pensamento negativo é simplesmente uma resposta padronizada. Aqui estão algumas dicas:

Tire algum tempo para parar e refletir sobre sua carreira ou sobre os conceitos que você mantenha tão estreitamente sobre o seu negócio e o mercado. Atente aos seus pensamentos e veja quais são negativos sem terem realmente um fundamento.

Examine seu conhecimento e procure lembrar se não deixou passar uma oportunidade. Compartilhe seus pontos de vista positivos com seus amigos e com sua equipe.

Fale com os seus clientes. O efeito que a crise provoca é evidente. Um gerente e mentor certa vez fez um comentário que ficou comigo:

“Quando as coisas ficam muito deprimentes aqui eu vou conversar com os clientes sobre como eles veem o nosso valor hoje e no futuro, eles sempre me dão uma boa dose de oportunidade, isso me anima.” Pense nisso: Outra razão para ficar perto de seus clientes.

Evite pensamentos de rotina. Analise tudo “de cabeça para baixo”, isto é, mude seu ponto de vista. Se algo não está dando certo, por que você continua fazendo da mesma forma. O Dr. Lair Ribeiro, renomado médico e nutrólogo, dizia: “Se você fizer o que sempre fez, continuará obtendo o que sempre obteve”.

Brainstorming: (Segundo a Wikipedia: Tempestade de ideias, mais que uma técnica de dinâmica de grupo, é uma atividade desenvolvida para explorar a potencialidade criativa de um indivíduo ou de um grupo – criatividade em equipe – colocando-a a serviço de objetivos pré-determinados). Quer mudar a maneira como sua organização percebe o mundo? Tente isso.

Junte-se a pessoas positivas.

Aprenda com os outros. Muitas grandes empresas têm enfrentado tempos difíceis e ressuscitado das cinzas para subir. Estes líderes encontraram uma maneira de focar a oportunidade. Aprenda com eles. Leia suas histórias, pesquise como eles descobriram essa oportunidade.  Encontre o que pode funcionar para você e sua situação e aplique no seu dia-a-dia.

É difícil acreditar que a mudança de algo tão simples como a forma como percebemos as coisas podem mudar nossos resultados de negócios.

Porém, pense: A desgraça, melancolia e o pensamento negativo não está nos levando mais perto do sucesso. Então, o que temos a perder?

Tome como exemplo a empresa Nintendo. Eles ficaram por muito tempo atrás da Microsoft e da Sony no mercado de games. Esse é o beijo da morte em um espaço em movimento rápido. Eu sei que os consultores disseram para recuar e ir outra direção. Mas a Nintendo sabia que havia uma oportunidade e eles mantiveram a suas armas.

O Wii foi lançado 18 meses após o Microsoft Xbox e Sony PS3. Ele superou suas vendas dentro de um ano para se tornar líder do mercado. A Nintendo nunca olhou para trás, eles apenas mantiveram o foco para a frente, acreditando na próxima oportunidade.

Não há nenhuma metodologia estratégica, nenhuma fórmula mágica para encontrar oportunidades em uma crise. Claro, existem maneiras de estimular novas formas de pensar, discutir novas abordagens.

Nós escolhemos encontrá-las!


Gostou do artigo? Compartilhe para que seus amigos também possam ler.